Mega Revisão Jus21

Venha Revisar os principais temas da 1ª fase da OAB!

publicado em 20/05/2019 às 04h55
O que esperar do futuro XXIX Exame de Ordem?

Por muitos anos existiu um claro padrão no Exame de Ordem: quando a prova objetiva vinha fácil a segunda fase era complicada, e vice-versa.

Mas isso faz parte do passado! Há pelo menos uns 6 anos essa lógica deixou de ser aplicada como um padrão do Exame.

Whatsapp do Blog: 61.99314.4383 - As informações mais importantes do Exame da OAB diretamente no seu celular.

E, desde sempre, o Exame NUNCA guardou um padrão estatístico linear e estável. NUNCA a prova apresentou mais de duas edições simulares em termos de dificuldade. Sempre, quando se esperava a estabilização de um grau de dificuldade, a FGV vinha e subvertia as estatísticas.

A regra era não ter um padrão.

Mas isso até o XXV Exame de Ordem.

Foco Total Jus21 - Aulas intensivas, cronogramas e simulados semanais, orientação e ajustes na preparação.

Curso Intensivo para o XXIX Exame de Ordem

Curso de Resolução de Questões para o XXIX Exame de Ordem

Pela primeira vez na história do Exame, unificado ou não, a FGV apresentou um padrão linear e estável quando a prova em si.

O XXV, XXVI, XXVII e XXVIII são provas muito, mas muito parecidas.

É bem verdade que o XXVIII aprovou mais que as três edições anteriores, mas em termos de formatação e, mesmo em termos de dificuldade, foi muito parecida com suas antecessoras. Eu diria que os candidatos foram melhor preparados para a última edição.

A partir desta observação podemos pensar no futuro XXIX Exame de Ordem.

NOTA: Mudanças na estrutura do Exame de Ordem só para 2020 - Exclusivo: Entrevista com o Coordenador Nacional do Exame de Ordem

O Exame de Ordem, efetivamente, superou um período de transição, iniciado no XXI Exame, e, agora, podemos falar em uma estabilidade da prova. Ou, melhor ainda, em uma elevação de patamar do seu grau de dificuldade.

Tudo começou, seguramente, no XXI Exame, uma prova terrível. Depois, no XXIII, a pior das provas objetivas, com as alterações na quantidade de questões de Ética, Processo Penal, Direitos Humanos e Tributário, a sensação se consolidou.

E isso é algo que venho alertanto tem anos:

OAB impõe um forte reposicionamento no Exame de Ordem

BOMBA! FGV reduz as questões de Ética de 10 para 8!

A prova da OAB mudou, e a Ordem também

E o que esperar da próxima prova? Vamos primeiro categorizar, de acordo com a minha percepção, as provas objetivas dos Exames passados da seguinte maneira:

XIX - Prova mediana.

XX – Prova mediana.

XXI – Terceira pior prova de todos os tempos.

XXII – Prova considerada boa, com alta aprovação.

XXIII – Pior prova de todos os tempos. Prova paradigmática, pois trouxe várias alterações.

XXIV – Prova boa, com boa aprovação, mas não tão boa quanto a do XXII Exame.

XXV – Prova difícil, especialmente em razão do grau de dificuldade nas questões de Ética.

XXVI – Prova difícil, no mesmo padrão da prova do XXV Exame.

XXVII - Quarta pior prova de todos os tempos.

XXVIII - Prova difícil, mas com aprovação razoável.

XXIX - ?

As provas do XX e XIX Exames foram difíceis, mas consideradas racionais. Essas provas foram bem elaboradas e não geraram controvérsias entre os candidatos.

Aí veio o XXI Exame, o prenúncio de que as coisas iriam piorar!

A primeira fase do XXI foi só terceira pior prova de todos os tempos, com 17,09% de aprovação (estatísticas exclusivas do Blog), contando com 2 anuladas de ofício. Se não fossem as anuladas, teria sido pior inclusive do que a do XXIII. 

Na sequência, veio o XXII Exame, e tudo foi uma "maravilha", ao menos dentro da lógica da prova.

Já a primeira fase do XXIII foi a pior de todos os tempos, com uma aprovação pífia de 13,35%, ou seja, 86,65% de reprovação. E isso ainda na 1ª fase. Tivemos uma alteração de alto impacto na prova: a redução das questões de Ética Profissional, de 10 para 8.

Direitos Humanos também perdeu uma questão. Com isso Processo Penal, Processo Civil e Tributário ganharam, cada, mais uma questão.

Depois foram várias questões interdisciplinares, mais complexas do que o habitual e que também prejudicou muita gente.

Na prova do XXIV tivemos 47.693 candidatos aprovados na primeira fase, aproximadamente 37% de aprovação.

Na prova do XXV Exame, foram 26.783 aprovados, representanto, mais ou menos, 21,25% de aprovação.

No XXVI tivemos vários problemas como o gabarito errado em uma das provas, que o Blog denunciou, como também as duas questões repetidas de Filosofia do Direito, também identificadas aqui pelo Blog.

Gabarito da prova verde tem 4 divergências em relação aos demais gabaritos

FGV repete questão de Exame anterior no XXVI Exame. Anulação deve ocorrer

Está faltando criatividade para a FGV: Outra questão de Filosofia copiada

O gabarito foi retificado de ofício, como se esperava, mas as questões repetidas não foram anuladas. Aliás, nenhuma questão foi anulada, mais uma vez.

Com a publicação da lista de aprovados do XXVI tivemos 30.884 aprovados, o que deu um percentual de 24,90% de sucesso na 1ª fase, emulando, praticamente, o que foi visto no XXV.

Na prova do XXVII tivemos o problema da questão de Ética que foi retificada. Criaram um abaixo-assinado para tentar anular essa questão, o que não deu certo pelo simples fato da questão não estar errada.

Fui o único que defendeu a retificação, ainda no dia da prova, e de fato foi o que aconteceu:

Ética Profissional: Questão do MS e do HC tem de ser RETIFICADA!

ATENÇÃO: FGV retifica a questão de Ética Profissional

Considerando que foram 125 mil candidatos, com apenas 15.236 aprovados finais, isso significa que o XXVII Exame teve um percentual de aprovação de apenas 12,18%, o PIOR da história considerando as duas fases.

Por fim, a prova do XXVIII Exame de Ordem teve uma boa aprovação. Foram 45.200 examinandos aprovados na 1ª fase, com 5.568 candidatos entraram no jogo do XXVIII Exame de Ordem após a única anulada, com o recurso publicado e defendido pelo Blog (o Blog defendeu a anulação de apenas dois recursos):

XXVIII Exame: Recurso Civil - Questão do matrimônio

Isso sem considerar a polêmica da questão que sofreu uma errata, também, ao meu ver, merecedora de anulação:

XXVIII Exame de Ordem: A manifesta falha da banca na questão da errata em prova!

XXVIII Exame de Ordem: Recurso para a questão da errata em prova

O total de reprovados na 2ª fase do XXVII Exame habilitados para a 2ª fase do XXVIII Exame de Ordem foi de 12.388 candidatos. Logo, o total de candidatos esperando o resultado na próxima sexta (24/05) é de 57.588 examinados.

A partir daqui, temos que considerar os seguintes elementos.

Primeiro

As três grandes balizas para vocês avaliarem se estarão prontos para o XXVIII Exame são as provas do XXV, do XXVI e do XXVII. Em termos de complexidade, e também sob a ótica da contemporaneidade, são as melhores referências para vocês entenderem a próxima prova.

Segundo:

A interdisciplinariedade, que prometia vir com tudo no XXIV, mal apareceu, quebrando as expectativas.Ela também não deu as caras no XXV, nem no XXVI e nem no XXVIII.

Terceiro:

Interpretar bem os enunciados passou a ser vital no Exame, especialmente porque a FGV já definiu que todas as questões agora são problematizadoras, ou seja, questões com o relato de uma situação-problema para o candidato apresentar a solução jurídica cabível à hipótese.

Como será, enfim, a prova do XXIX Exame de Ordem?

Eu diria que a prova será um espalho das últimas 4 edições, e que de fato estamos diante de um novo padrão para o Exame de Ordem.

Evidentemente não dá para cravar uma certeza na análise, mas não podemos negligenciar os sinais e o que as provas têm sido nas últimas edições.

Isso não é, contudo, nada de muito surpreendente. Na realidade é uma pedra cantada desde antes do XXVIII em função das 3 edições anteriores.

Para passar, evidentemente, tem de estar bem preparado, e estudos facilitados e outras panacéias devem necessariamente serem afastados.

Ou estuda sério, com tempo e qualidade, ou a coisa fica complicada.



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

13 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM