Mega Revisão Jus21

Vamos revisar o conteúdo para a prova?

publicado em 16/07/2020 às 11h49
Sérias críticas à prova online do Conselho de Contabilidade

O Conselho Federal de Contabilidade publicou o edital de retificação para o seu Exame de Suficiência, a única outra prova, além do Exame da OAB, exigida para os recém-formados poderem ingressar em uma profissão, no caso, a de contador.

O CFC adotou a prova online exatamente para poder permitir que os recém-formados façam o exame sem correrem os riscos inerentes a aplicação de uma prova presencial em tempos de pandemia.

Esse modelo de prova tem sido exigido por muitos bacharéis e estudantes de Direito como solução para o Exame de Ordem, especialmente depois que o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, falou que esse tipo de prova estaria sob estudo.

Professor de Direito quer que bacharéis possam advogar mesmo sem exame da OAB

Entretanto, diferentemente do CFC, a OAB não cogita em aplicar uma prova online, não só por questões técnicas como também, especialmente, por questões de segurança.

O Exame de Ordem em condições normais já sofre bastante com tentativas de fraude, o que não imaginar com a aplicação online, onde todos os candidatos fariam a prova de suas casas?

Surge então a pergunta: como o CFC contornou esse problema?

Analisei o edital de retificação para ver quais fórmulas e métodos o CFC, junto com a Consulplan (a organizadora do certame), aplicaria para elidir eventuais fraudes, e cheguei a conclusão de que a proposta da prova online do Exame de Suficiência não vai impedir em nada que o certame seja fraudado.

Vacina contra covid testada no Brasil somente para junho de 2021

O edital apresenta uma série de soluções tecnológicas engenhosas, mas com alguma reflexão percebe-se que na prática simplesmente não se tem como evitar fraudes, afora outros problemas sérios.

Não que muitos dos candidatos irão de fato fraudar a prova! Claro que não! Acredito que a maioria respeitará o edital e a ética. Mas provavelmente alguns o farão. Em todas as áreas existem pessoas dispostas a burlar regras.

Vamos conferir os pontos mais interessantes do edital e analisá-los pontualmente, quando necessário.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

Aqui a designação da aplicação da prova na modalidade online, a ser aplicada em uma ambiente virtual próprio do CFC.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

O item 5.2.1 apresenta um complicador sério: se a internet do candidato der problema, se o computador dele estragar ou mesmo se simplesmente faltar luz, não será possível fazer a prova.

Exame de Ordem só em 2021?

É uma situação análoga a se chegar atrasado no local de prova. A dificuldade estaria em enfrentar um problema técnico que, caso ocorra, tem o potencial de ser praticamente insuperável.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

A Consulplan joga a responsabilidade integralmente para os candidatos não só em relação a problemas técnicos como também em relação a infraestrutura para se fazer a prova.

Como se trata de algo excepcional, não acho a postura da banca errada. Neste caso o ônus, custo e o risco pertencem integralmente aos examinandos.

É o preço a se pagar por se fazer a prova online.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

Aqui a data da prova.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

Esses dois itens trazem os primeiros elementos técnicos de segurança dentro do sistema da prova.

O primeiro (5.11) visa apresentar as questões de forma completamente randômica, sem qualquer ordem, para os candidatos.

Já o segundo (5.12) estabelece uma restrição quanto a apresentação das questões, pois uma nova questão só será apresentada se a questão anterior for resolvida, sendo impossível ao candidato retornar para revê-la.

O objetivo é evitar a troca de informações entre os candidatos, evitando a interação e a discussão do gabarito.

Obviamente, não tem como dar certo.

Vamos aos problemas:

1 - O que impedirá um grupo de candidatos façam a prova juntos, em um mesmo lugar, todos olhando ao mesmo tempo as questões de uns e de outros e ajustando simultaneamente os gabaritos?

2 - O que impedirá a consulta recíproca entre eles?

3 - O que impedirá a consulta a livros e à internet?

4 - O que impedirá a presença de especialistas convocados para auxiliar os candidatos?

5 - O que impedirá que grupos no whatsapp ou no Telegram, com muitas pessoas, troquem simultaneamente os gabaritos para conferência geral?

A resposta a todas essas perguntas é uma só: NADA!!!

O sistema randômico é facilmente burlável. Não o sistema em si, mas a sua própria lógica, e isso pelo simples motivo de que não existe a menor possibilidade de fiscalização. A segurança do sistema é completamente contornável.

Perceber isso é algo elementar.

Os candidatos no início da prova progrediriam mais lentamente, mas depois, com o acúmulo e troca de informações, todos teriam tempo de responder tudo de forma correta.

Para a lógica do edital funcionar seria necessário um bando de questões GIGANTESCO e que as provas não fossem necessariamente iguais, mas sim retiradas desse banco de questões de forma aleatória.

Assim sendo, o Exame mataria não só a isonomia entre os examinandos em relação as questões como também algumas provas poderiam ser mais difíceis que outras, o que também vulneraria a aludida isonomia.

PIOR! Se assim fosse, a possibilidade escrutínio da prova iria cair por terra! Como julgar um processo seletivo em que todas as provas seriam bem diferentes entre si? Não tem como, o que daria margem para arbítrios, injustiças e, especialmente, para um procesos seletivo estatisticamente mais difícil, aumentando assim as reprovações. E ninguém poderia fazer nada.

Obviamente isso não vai acontecer agora porque o CFC não tem esse banco de questões, o que nos traz de volta a possibilidade de fraudes.

OAB não vai flexibilizar aplicação da prova por localidade

E, evidentemente, como praticamente todos os sistemas do mundo, o risco de um hacker invadir o site do certame, ou os servidores da Consulplan ou do CFC, e copiar o banco de questões não pode ser descartado. Se isso acontecer, um abraço!

E como bem sabemos, existem quadrilhas especializadas nisso.

Não estou dizendo, é claro, que não há segurança, mas quem bota a mão no fogo garantindo a segurança total da prova?

Se até o site da NASA, do FBI, da CIA e da NSA, entre outros tantos, já foram hackeados, eu não duvido de rigorosamente nada.

E se vocês digitarem no google os termos "fraudes e concursos" verão uma enxurrada de notícias. Mas muitas mesmo!

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

O item 5.12.1 é altamente problemático. O que seria um "procedimento indevido"? Isso por si só pode dar margem a uma multiplicidade de questionamentos por ser um termo completamente vago.

Ademais, o que seria o "tempo incompatível para sua resolução"? Outro termo vago que pode dar margem para muitos questionamentos. Qual seria o tempo razoável para se responder uma questão? Essa ideia, sem parâmetros objetivos explicitados no edital, torna a questão completamente subjetiva.

Ademais, o controle do tempo é plenamente superável por quem desejar fraudar a prova. Como escrevi anteriormente, no começo a resolução da prova pode até ser mais lenta, mas com o compartilhamento de informações toda ela é resolvível dentro do tempo previsto.

Como será o Exame online do Conselho de Contabilidade?

Com todo o respeito ao CFC, mas a prova online está pedindo para ser objeto de muitas, mas muitas demandas judiciais.

Primeiramente pelo óbvio: a anulação da prova devido a algum ilícito efetivado por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico ou por investigação policial demanda um PROCESSO!

E como tal, precisa ser provado. E isso não é algo exatamente fácil, especialmente com todos os candidatos fazendo as provas FORA DE UM AMBIENTE CONTROLADO!

Esses itens do edital só querem passar uma ilusão de controle. Na prática, tirando a hipótese de fraude virtual, passível de perícia, o resto é de difícil comprovação.

Claro! Há a hipótese de provas com as mesmas respostas, mas quem for esperto não vai fazer igual aos demais, e muito menos vai ambicionar tirar a nota máxima. Isso é algo facilmente superável.

O que o CFC vai dizer quando as estatisticas de aprovação desta prova forem diferentes das estatísticas anteriores do Exame? Daí para o MPF se interessar pela prova é um pulo.

O CFC quer aplicar uma prova que não garante um mínimo de segurança quanto a integridade das respostas.

Ninguém está feliz com a pandemia e com seus efeitos. O Exame de Ordem, por exemplo, está parado, o que é péssimo para todos. Mas nem por isso a OAB vai se arriscar em algo que ela não pode dar um mínimo de segurança. E este mínimo de segurança, na minha ótica, está faltando para a prova do CFC.

O CFC erra ao aplicar a prova sob este modelo. Quer inovar, mas está se esquecendo de premissas ELEMENTARES de segurança. 

Não tem como dar certo.

Link do edital do Exame de Suficiência do CFC.



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM