publicado em 02/09/2019 às 15h29
Senado vai debater sugestão que pede criminalização do coach

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) vai promover, na terça-feira (3), às 15h, uma audiência pública para debater a atividade de coach no Brasil. A ideia é acumular argumentos para a análise da sugestão popular que pede a criminalização da atividade.

Para o debate, estão convidados o presidente da Federação Brasileira de Coaching Integral e Sistêmico, Paulo Sérgio Vieira da Silva, e o vice-Presidente do International Coach Federation (ICF Brasil), Marcus Baptista, além de outros representantes de entidades ligadas à atividade.

Os deputados Nereu Crispim (PSL-RS), Eduardo Bismarck (PDT-CE), Coronel Tadeu (PSL-SP) e Júlio César (Republicanos-DF) também estão entre os convidados.

O evento vai ocorrer no Plenário 15 da Ala Senador Alexandre Costa e terá caráter interativo, com a possibilidade de participação popular. Dúvidas, críticas e sugestões poderão ser enviadas por meio do portal e-Cidadania ou pelo telefone do Alô Senado (0800 612211).

Atividade

Originária do idioma inglês, a palavra coach significa treinador. No mercado de trabalho, ele é o instrutor capacitado a ajudar pessoas a atingirem mais rapidamente as suas metas na vida pessoal e profissional.

O coach também é contratado por empresas na busca de resultados em curto prazo. Nos Estados Unidos, onde a atividade surgiu há algumas décadas, a carreira já movimenta US$ 2,3 bilhões ao ano.

Na teoria, qualquer profissional pode se tornar um coach, desde que domine os conhecimentos dentro da sua área. Na prática, é preciso também estar preparado para lidar com pessoas; ajudar os clientes a identificar limites, superar desafios e desenvolver o seu potencial.

O cidadão William Menezes, morador de Sergipe, é o autor da sugestão de criminalização da atividade. Sua ideia recebeu mais de 20 mil apoios. Agora, a ideia foi transformada em sugestão legislativa (SUG 26/2019) e tramita na CDH sob relatoria do senador Paulo Paim (PT-RS), que ainda analisa a matéria. Se aprovada, pode virar projeto de lei.

Regulamentação

No sentido oposto, também há quem reconheça a qualidade e os bons resultados dessa atividade. Do Rio Grande do Sul vem a ideia de regulamentação da profissão apresentada pelo cidadão Ronald Dennis Pantin Filho II.

Na justificativa da proposta, o autor argumenta que coaches e mentores atuam desde que o ser humano existe, mas que somente nos últimos 40 anos essas profissões ganharam destaque no Brasil, ajudando milhares de pessoas a se desenvolverem. Por enquanto, no portal e-Cidadania, a sugestão tem pouco mais de 5 mil apoios e precisa de mais 15 mil para ser analisada na CDH.

Fonte: Agência Senado



Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM