publicado em 22/02/2011 às 06h29
Quem quer ser advogado?

O professor Luis Chacon, mestre em Direito, professor da Unisal e autor do livro Manual de Prática Forense Civil, publicou em seu blog - Advocacia Hoje - o resultado de uma pesquisa realizada entre 400 alunos do curso de graduação da Unisal sobre as pretensões profissionais após a conclusão da faculdade.

É um texto interessante pois são poucas, para não dizer nenhuma, pesquisas sobre as pretensões profissionais dos acadêmicos de Direito.

Isso permite uma breve visão da importância do Exame de Ordem para o universo acadêmico.

Claro que é uma pesquisa dentro de apenas uma instituição, e que reflete os valores de uma região específica. Se fosse em Brasília, a capital dos concursos, o resultado seria bem diferente. De toda forma, serve como um termômetro para avaliarmos os anseios dos ainda estudantes.

Confiram:

Quem quer ser advogado?

Realizamos uma pesquisa para encontrar o perfil do aluno de direito no Centro Universitário Salesiano de São Paulo Unidade de Ensino de Lorena. Ouvimos praticamente 400 alunos dos 800 alunos matriculados no curso. As questões foram objetivas e as respostas anônimas.

Uma das perguntas foi: qual a carreira jurídica você pretende alcançar após a faculdade?

As respostas previstas objetivamente eram:

Advocacia com escritório próprio;

Advocacia como funcionário;

Advocacia como Procurador Público;

Magistratura;

Ministério Público;

Delegado de Polícia;

Cargos administrativos no Poder Judiciário;

Docência no Ensino Superior;

Outros.

O resultado foi surpreendente, pois 20% dos alunos pretendem exercer a advocacia com escritório próprio, 3% pretende atuar como advogados funcionários e 4% como advogados procuradores. Então, 27% dos entrevistados pretendem ser advogados, um número muito expressivo!

Dos demais, computando as profissões mais escolhidas, 13% pretendem a magistratura, 16% o ministério público e 15% Delegado de Polícia.

Num tempo em que se diz ou se ouve dizer que “advogar é difícil”, os alunos estão empenhados em advogar, o que merece uma comemoração.

Agora, devemos lançar algumas reflexões sobre o mercado da advocacia.

1 - O que temos de atração na referida carreira, sobretudo, na advocacia com escritório próprio?

2 - Será que o que as faculdades de direito ensinam é o suficiente para que esses advogados tenham sucesso na condução de seus escritórios?

Em breves palavras quero provocá-los!

A carreira da advocacia com escritório próprio nos permite ser verdadeiros profissionais liberais e disso deriva uma série de benefícios como, por exemplo, escolher o tipo de serviço que pretende prestar e até mesmo escolher o cliente que pretende atender ou não atender.

A economia brasileira, crescendo, permitirá, nos próximos anos, que espaços se abram para a atuação de advogados do setor privado e público, isso, também é positivo.

O conteúdo ensinado nas faculdades de direito, pelo menos no Brasil, está longe de preparar o aluno para a realidade da advocacia, sobretudo, em escritórios próprios. Isso se deve ao fato de que o advogado, nessas condições, passa a ser um prestador de serviços, um gestor de finanças, de pessoas, de clientes e, nada disso é ensinado aos alunos.

Nem mesmo a Pós Graduação em Direito permite isso, pois preocupada está com a informação prática da técnica jurídica em si e não da gestão ou gerenciamento do escritório.

Pois bem, em rápido pensamento, uma conclusão: no futuro teremos mais advogados, porém o sucesso dos escritórios estará atrelado àqueles que, além de uma boa formação técnica jurídica, estejam empenhados e preparados em gerenciar bem o seu negócio.

O que vocês acham?



Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM