Estratégias para a 2ª fase OAB

Arranque o melhor desempenho possível de si na prova subjetiva da OAB

publicado em 29/07/2021 às 09h54
Qual o tamanho "certo" para a peça prática?

O quanto é necessário escrever para "impressionar" o corretor e fazer uma boa peça prática na 2ª fase do Exame de Ordem?

Essa é uma pergunta interessante, pois muitos candidatos acham que ser prolixo é a chave para uma boa nota. Uma redação pomposa, extensa e floreada por parecer, para alguns, o melhor caminho para a redação.

Mas não é!

Na verdade não existe nenhuma regra quanto ao tamanho da peça: tudo depende do tamanho do problema e da quantidade de tópicos a serem trabalhados.

Telegram do Blog Exame de Ordem - Cadastrem-se para informações diretamente no celular

Uma peça com 3 laudas, ou 5, se esgotarem os pontos do enunciado, têm a mesma probabilidade de tirarem uma boa nota.

Na realidade, vocês têm de priorizar a objetividade na elaboração da peça, e atentar para os seguintes pontos:

1 - Na hora de indicar um artigo, não escrevam o Código a ele relacionado por extenso. Usem sempre as abreviaturas: CPC, CPP, ECA, CC, CLT, STF, STJ, TST, etc;

2 - Ao fazerem as indicações legais, botem de forma convencional, sem precisar escrever por extenso. Exemplo: Art. 12, § 6º, I do CPC;

3 - Quando forem narrar os fatos (se for o caso), sejam muito sintéticos. O problema está no enunciado da prova, vocês estão discorrendo sobre os fatos para mostrar que compreendem a necessidade de fazê-lo. Logo, sejam sintéticos e façam tão somente o resumo do problema;

4 - Regra do edital: não ultrapassem as 150 linhas destinadas à peça. O que for escrito além disto será desconsiderado. Não vai implicar, todavia, na reprovação, mas a pontuação da redação que ficar fora do espaço delimitado não será deferida;

Qual o tamanho "certo" para a peça prática?

Cadastrem-se na nossa série de lives sobre a segunda fase!

Estratégias para a 2ª fase da OAB

5 - A redação pode se aproximar da forma como o espelho das peças é forjado. Logo, a redação pode ser objetiva, sem floreios. Basta abordar, de forma completa, os tópicos do espelho;

Evidentemente, o espelho não será mostrado para vocês na hora da prova. Estudem espelhos anteriores e tentem projetar, na hora de montar o esqueleto da peça, como seria o espelho da prova.

Curiosamente, nesta prova, a candidata usou todas as 150 linhas. Acredito, analisando a sua redação, que isto ocorreu principalmente por causa do tamanho da letra;

6 - No começo da peça alguns candidatos pulam algumas linhas, outros, não, e alguns escrevem "pular 10 linhas".

Muito depende de como o professor de vocês ensinou, mas asseguro que as 3 formas não geram nenhum prejuízo aos candidatos. O ideal, sob minha ótica, é não pular linhas, pois isso poupa mais espaço para a peça.

Mas isso é uma questão de estilo, tão somente.

A preocupação de vocês, como candidatos, é a de dar completude à peça, ou seja, discorrer sobre todos os pontos elencados no problema apresentado. É isso o que verdadeiramente importa.

Contudo, isso pode ser feito de forma precisa, objetiva, sem maiores floreios, obedecendo, claro, a lógica jurídica da peça escolhida.

Agora que faltam menos de duas semanas, tirem alguns dias para treinar a estruturação dos esqueletos de provas anteriores, tomando o cuidado de comparar o esqueleto com o padrão de resposta apresentado.

É um excelente exercício de treinamento!

oab.fgv.br

Considerem para este exercício apenas a montagem do esqueleto. Não precisa fazer a peça.

Outro exercício interessante é pegar redações passadas e tentar "enxugar" elas. Tentar visualizar onde a redação foi exagerada ou prolixa.



CANAL NO TELEGRAM
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos & Treinamentos

13 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM