Pós-graduações do Jus21

Evento com os maiores especialistas em segurança pública e atividades policiais do país.

publicado em 24/08/2020 às 07h52
Advogada é presa com droga conhecida como "super maconha"

Uma advogada de 37 anos foi presa na noite desta sexta-feira (21) após ser flagrada transportando skunk na BR 060, em Anápolis. A droga, conhecida como supermaconha, com efeitos potencializados, estava embaixo do banco da condutora.

O veículo que ela dirigia, um Jeep/Compass, foi parado na unidade da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e durante a fiscalização os agentes encontraram 800 gramas da droga embalada em um pacote de plástico transparente embaixo do banco.

A advogada afirmou não saber que transportava a droga e que havia emprestado o carro para um cliente na tarde de sexta-feira.

Ela disse que trabalha como advogada da área criminal e professora em Caldas Novas, onde reside. A mulher seguia com destino a Brasília quando foi parada pela PRF. Ela foi conduzida para a central de flagrantes de Anápolis.

A nova droga

O skunk é o resultado de alterações genéticas feitas em laboratório através da mistura de vários de tipos de maconha, razão pela quel é considerada como uma “super maconha”. O entorpecene causa os mesmos efeitos da maconha, mas potencializados.

O skank possui uma maior capacidade de entorpecimento, até sete vezes mais fortes do que os da maconha comum. Os neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina, são afetados, proporcionando alterações motoras e de memória. Esses estímulos são tão intensos, que os danos causados no cérebro podem ser irreversíveis em alguns casos

Por se tratar e um produto produzido fora do país, é consumido apenas por pessoas de classes sociais mais altas. Para se ter uma ideia, um quilo do entorpecente pode chegar a custar R$30 mil.

Com informações do Diário de Goiás



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM