Pós-graduações do Jus21

Evento com os maiores especialistas em segurança pública e atividades policiais do país.

publicado em 20/08/2020 às 10h00
A polêmica prova online da “OAB” da Inglaterra

Uma exame aplicado no Reino Unido tem causado polêmica não só entre os estudantes de Direito da Inglaterra, mas do mundo todo. A entidade responsável pela aplicação do "Exame de Ordem" do país decidiu aplicar a prova de forma remota para candidatos que assim optassem fazê-la.

O problema foi que uma das regras era que o candidato não poderia tirar os olhos da tela do computador por quase três horas, sob pena de ser eliminado do exame.

Confiram abaixo a notícia publicada pelo site inglês Above the Law:

Em razão da pandemia, os formados em direito nos Estados Unidos enfrentaram uma série de dificuldades técnicas que acabaram cancelando os exames da ordem. Do outro lado do oceano, os estudantes de direito que foram submetidos à prova do Curso de Formação Profissional de Advogados do Reino Unido não se saíram nada melhor.

O exame, semelhante ao MPRE (Multistate Professional Responsibility Examination), foi aplicado pela Pearson VUE para o Bar Standards Board, com supervisores remotos. Para “proteger a integridade do teste” e ter certeza de que nenhuma trapaça estaria acontecendo, os alunos que fizeram o teste online não tinham permissão para sair da sala ou quebrar o contato visual com suas telas. Os alunos que optaram por fazer o exame presencial tinham permissão para ir ao banheiro. Isso criou um grande problema para os participantes remotos que precisavam usar o banheiro durante as quase três horas de exame.

Os estudantes de direito supostamente imploraram aos fiscais por intervalos para ir ao banheiro, mas todos os pedidos eram negados. 'Tempos de desespero exigem medidas desesperadas', então, alguns dos candiddatos optaram por urinar em garrafas e baldes, sem desviar os olhos da tela do computador. RollOnFriday ouviu Tian Juin See, um dos estudantes que passou pelo constrangimento:

“Tentei segurá-lo, mas pouco depois perguntei de novo e ele disse que não”, disse Tian.

“Tornou-se insuportável e estava afetando minha concentração”, disse ele. Apesar de "implorar literalmente" ao inspetor, Tian foi informado de que "a política não permite o uso de banheiros durante os exames. Eu disse a ele que se eu não tivesse permissão, terei que urinar na mamadeira, mas ele ainda não me deixou usar o banheiro. "

“Finalmente, não consegui mais segurar”, disse Tian. “Então, joguei a água da minha garrafa em todo o carpete”, embora ele não pudesse ver onde estava derramando, pois o inspetor disse que ele não tinha permissão para se afastar da câmera “e tentei mijar minha garrafa, às cegas, enquanto tento não se mover muito ou desviar o olhar da tela.”

“Quando terminei, levantei a garrafa agora amarela para a webcam como se dissesse: 'Você está feliz agora?'”

Aqui estão as evidências postadas no Twitter após o exame:

Sophie Lamb, outra estudante, disse que teve que urinar em um balde durante o teste. Em uma entrevista ao The Sun ela disse:

“Eu tive que colocar o balde debaixo da cadeira. Eu estava usando um vestido longo e tive que me agachar, mas cuidando para que meu rosto permanecesse direcionado para câmera”. Para ser honesta foi um pouco ridículo pelo fato de ser uma organização que visa promover não apenas nossos padrões éticos, mas também nosso bem-estar.”

No final das contas, ela não conseguiu completar o exame - o programa falhou.

Os estudantes de direito do Reino Unido tiveram que arriscar sua saúde e segurança ao fazer o exame de ética presencial ou arriscar sua privacidade ao fazer o exame de ética remotamente. O Bar Standards Board realmente fez um péssimo trabalho ao lidar com essa situação “inacreditável”.

Fonte: Above the Law



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM