teste
Análise Crítica do Exame Destaque

O que esperar do Exame de Ordem em 2018?

O que esperar do Exame de Ordem em 2018

O que esperar do Exame de Ordem em 2018? A pergunta é bem pertinente, pois, afinal, a dupla OAB e FGV aprontaram PESADO em 2017 com a prova da OAB.

Aliás, aprontaram muito pesado mesmo.

Ainda em 2016, no seu finalzinho, em um primeiro indício do que estava por vir, tivemos uma prova objetiva terrível: a prova do XXI Exame de Ordem.

Ali tivemos a última manifestação de um resquício de bondade da Ordem: a anulação de ofício de duas questões em função da alta reprovação na prova objetiva.

FGV não divulga a lista de aprovados, mas tão somente libera a consulta individual!

BOMBA! OAB anula 2 questões de ofício da 1ª fase do XXI Exame de Ordem!

Até aquele momento, a Ordem tinha medo de críticas correlacionadas com altas reprovações.

Até aquele momento.

Veio então o XXII Exame de Ordem, e a OAB resolveu, pela primeira vez na história, avocar provas corrigidas erroneamente na 2ª fase e REPROVAR quem havia sido aprovado na lsita preliminar de aprovados da 2ª fase:

ATENÇÃO! OAB reprova todos os candidatos que fizeram MSC e tiveram as provas corrigidas!

Foi um espanto!

Um espanto e uma advertência: não estavam mais interessados em serem bonzinhos. A regra usada pela OAB havia sido recém-implantada no Exame de Ordem, mais especificamente no XXI. Usaram na primeira oportunidade que tiveram.

E então veio o assombroso XXIII Exame de Ordema pior prova de todos os tempos.

Primeiro o susto dos sustos: a redução das questões de Ética de 10 para 8.

BOMBA! FGV reduz as questões de Ética de 10 para 8!

Logo em seguida, a percepção da tragédia.

O tamanho do estrago do XXIII Exame de Ordem

E a confirmação do apocalipse.

A pior prova do Exame de Ordem de todos os tempos!

Ficou claro, a partir daquele momento, que a Ordem não iria mais aliviar a vida dos candidatos e muito menos se importar com reprovações em massa:

A prova da OAB mudou, e a Ordem também

A OAB sobre o Exame de Ordem: “É hora de adotar medidas impopulares”

Nenhuma anulação! Sacramentada a pior prova objetiva de todos os tempos!

Rigor do Exame de Ordem será mantido, diz presidente da OAB

Criou-se então uma grande expectativa para o XXIV Exame, a atual edição.

Imaginamos uma prova ao menos tão ruim quanto a do XXIII, mais questões interdisciplinares e uma alta reprovação.

Mas não, não foi assim. A prova do XXIV Exame foi “normal”, com uma aprovação 3 vezes maior se comparada com a prova do XXIII, sem grandes sustos, quase sem questões interdisciplinares e ainda com uma anulação de lambuja.

Parecia uma outra FGV.

O que aconteceu? Porque o padrão não foi mantido?

E, a partir desta pergunta, projetar o que podemos esperar para o próximo ano e as próximas edições.

Um dos grande problemas do Exame de Ordem é não ter exatamente nenhuma consistência estatística. Ou seja, não dá para projetar o que vai acontecer em uma edição vindoura com base nas provas passadas. É bem verdade que ultimamente estamos vendo uma alternância no grau de dificuldade das provas, oscilando entre o fácil e o difícil, na seguinte lógica:

XIX – Fácil

XX – Fácil

XXI – Difícil

XXII – Fácil

XXIII – Difícil

XXIV – Fácil

XXV – ?

XXVI – ?

XXVII – ?

Mas essa ordem de oscilação é muito recente e não dá para se fiar em sua lógica. Até era assim há uns 5 anos atrás, mas depois tudo ficou bastante nebuloso, sem uma sequência clara de oscilação. A partir do XXI que essa sequência teve início e ela pode ser alterada a qualquer momento.

Ademais, as promessas dos dirigentes da OAB foi no sentido de que o Exame tem de se tornar mais rigoroso, especialmente em função do aumento no número de advogados e do impetuoso avanço do empresariado da educação no sentido e aumentar ainda mais o número de advogados e de criar, com auxílio servil do MEC, a classe do tecnólogo jurídico.

A Ordem, sob este prisma, sente-se acuada, e reage da forma que pode, e como pode. Endurecer o Exame é um dos caminhos.

Era para ter saído neste ano de 2017 o novo marco do ensino jurídico do país. Mas isso não aconteceu porque a Ordem criou uma série de obstáculos, já vendo que o marco não passa de um aval para a precarização do ensino no país inteiro.

Mas o marco vai sair, goste a OAB ou não. Só resta saber o tamanho do atropelo.

A Ordem perdeu qualquer interlocução com o governo por conta do pedido de impeachment contra Temer, e o empresariado da educação vai se aproveitar disto para confrontar a OAB.

O Exame de Ordem em 2018 vai sentir, obviamente, o reflexo disto.

Em 2018 muito provavelmente teremos a divulgação da nova regulamentação do ensino jurídico, e com isto a OAB certamente vai alterar o provimento do Exame de Ordem.

Exclusivo: Presidente da OAB/DF fala ao Blog sobre as mudanças no Exame de Ordem debatidas no Colégio de Presidentes

Ideias para repensar o Exame não faltam. Resta saber o que será de fato implementado.

O Exame de Ordem em 2018 será, certamente, atípico para todos nós.

Aguardemos!

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter