teste
Advocacia Destaque Vídeos

Defensor toca música do O Rappa na tentativa de comover júri de assassino

Defensor toca música do O Rappa na tentativa de comover júri de assassino

Hey Joe. Onde é que você vai com essa arma aí na mão? Hey Joe. Esse não é o atalho pra você sair dessa condição! Dorme com tiro acorda ligado. Tiro que tiro trik-trak boom para todo lado… Também morre quem atira…”.

Com o violão nas mãos, o defensor público Rodrigo Antônio Stochiero Silva apelou para a música, “Hey Joe”, da banda O Rappa, na tentativa de comover o júri popular de Luan Veríssimo Valadares, 27 anos, na última sexta-feira (23), em Campo Grande.

A cena inusitada foi gravada a pedido do defensor e viralizou pelo Whatsapp. No entanto, não surtiu o efeito esperado já que o réu foi condenado a 13 anos pelo assassinato de Nuno Mayerson Leal Pereira Toledo, ocorrido em 2014.

Cursos do Jus21 para a Prática Penal:

Prática Penal – Tribunal do Júri

Prática Penal – Fase Pré-Processual

Prática Penal

O defensor é conhecido pelas “defesas incomuns”. Em julgamento recente, chegou ajoelhar e chorar para a família da vítima.

Desta vez, consta nos autos que a defesa durou pouco mais de uma hora e teve como ponto alto o “show acústico” do defensor.

O Campo Grande News tentou contato com Rodrigo, porém foi informado pela assessoria de comunicação da Defensoria Pública que ele está de férias e só comentaria a cena no próximo mês.

A escolha da música pelo defensor pode estar atrelada as circunstâncias do assassinato cometido pelo réu. De acordo com o processo, Luan queria se vingar, pois Nuno teria tentado matá-lo. Mas, não conseguiu e acabou matando o irmão dele.

Juiz – O júri foi presidido pelo juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri Aloísio Pereira dos Santos. O magistrado explicou que a defesa é ampla e o defensor tem a liberdade de usar todos os meios lícitos para defender o assistido. “Ele [Rodrigo] usou o violão e poderia ter utilizado qualquer outro instrumento ao acreditar que agregaria na defesa do cliente”, enfatiza.

Sobre a cena, o juiz ainda revelou que não ficou surpreso, pois já presenciou defesas semelhantes durante a carreira. “De cartas psicografadas como argumentos a réu com chapéu de roça”, detalha.

Assassinato – Segundo inquérito policial, o crime aconteceu no pátio do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, de Campo Grande no dia 30 de novembro de 2014 (domingo), às 5h55.

Familiares da vítima e do denunciado possuíam desavenças há anos, inclusive, com possíveis assassinatos de ambos os lados. A vítima teria tentado matar Luan em setembro de 2007, mas acabou matando o irmão do denunciado.

Por vingança, Luan foi até a unidade penal e ficou na espreita, à espera da vítima na BR-262, onde Nuno pegaria ônibus. Porém ao entrar no ônibus, o denunciado percebeu que a vítima iria a pé, e logo desceu do ônibus, sacou a arma de fogo e desferiu disparos contra a vítima, matando-a.

Luan possui outras passagens pela polícia e também responde na Justiça por outro assassinato cometido no ano passado.

Fonte: Campo Grande News

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter