teste
Análise Crítica do Exame Destaque

A FGV “descobriu” que para reprovar muito basta apertar em Ética

A FGV "descobriu" que para reprovar muito basta apertar em Ética

As questões de Ética Profissional foram, sem dúvida, a grande baliza da última prova objetiva da OAB, e isso serve de alerta para quem vai fazer a prova do XXVI Exame, pois aparentemente a FGV “descobriu” que para reprovar muito basta apertar em Ética.

O curioso da prova objetiva do XXV é que os candidatos, na média, não a acharam tão difícil. Evidentemente, trata-se de uma percepção bem subjetiva, mas como estamos acostumados a “ler” as impressões dos examinandos desde antes da unificação, essa observação tem seu valor.

Enquanto na 1ª fase do XXIII Exame de Ordem foram 15.352 aprovados, sem anulações, e com uma percepção péssima da prova, no XXIV Exame tivemos 47.693 aprovados, sendo que a impressão geral foi boa, bem parecida com a impressão do XXV Exame.

Aprovados na 1ª fase do XXV Exame de Ordem: 29.892 examinandos.

Entretanto, ainda assim, a aprovação na prova objetiva do XXV não foi das melhores: 29.892 examinandos aprovados, em que pese a percepção geral sobre a prova não ter destoado tanto da prova do XXIV.

E a “culpa” disto atribuo diretamente sobre Ética Profissional.

A quantidade de relatos feitos por candidatos que acertaram apenas 3 ou 4 questões entre 8 foi absolutamente forma do comum. Obviamente, Ética é uma disciplina fundamental para a aprovação. Acertar metade ou menos reduz sensivelmente as chances de sucesso na primeira fase.

Curso Completo de Teoria e Questões para o XXVI Exame de Ordem

As questões de Ética foram elaboradas com temas não muito comuns aos usualmente cobrados, além de terem sido elaboradas dando mais ênfase às exceções dentre destes temas. A raiz do péssimo desempenho geral na disciplina – e na prova – está aí.

Essa forma de construir as questões revelou-se bem cruel com os candidatos.

Em regra os candidatos acertam acima de 60% das alternativas, mas desta vez o que se viu foi um mar de gente que acertou 2, 3 ou 4 questões, o que foi DECISIVO na hora da aprovação.

A FGV “descobriu” que não precisa elaborar uma prova muito difícil no todo, atraindo para si críticas. Basta focar em disciplinas mais importantes (ou seja, nas quais o desempenho dos examinandos seja melhor) para “quebrar” os candidatos. Parece-me que foi isso que aconteceu no XXV, pois Ética, e também Processo do Trabalho, estiveram fora do escopo tradicional.

Isso sem contar que no XXIII Exame a banca reduziu as questões de Ética de 10 para 8. Um aumento na reprovação é a consequência lógica dessa mobilização da FGV.

Na próxima terça-feira teremos a divulgação da lista final de aprovados na 1ª fase, e muitos candidatos depositam suas esperanças na anulação de ao menos 2 questões de Ética.

A probabilidade é baixa, mas agora a questão está com a OAB. Veremos o destino a ser dado aos recursos apresentados.

De toda forma, fica a advertência aos examinandos que farão o XXVI Exame: Ética continua sendo o fiel da balança, só que ainda mais.

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter