teste
Como se Preparar para a Prova Destaque

Priorizando disciplinas para a prova objetiva da OAB

Como priorizar as disciplinas para a prova objetiva da OAB? A prova objetiva está chegando e é preciso ser estratégico na preparação.

Ou seja: o que seria mais importante priorizar neste momento? Como vocês sabem, restam praticamente 2 meses dias para a prova, e muitos candidatos devem estar perguntando o que é melhor escolher para estudar para a 1ª fase.

Vamos dar uma olhada no peso de cada disciplina na prova objetiva da OAB:

Em uma primeira abordagem, a impressão que se tem é de que as disciplinas com uma quantidade menor de questões devem ser descartadas, pois o impacto de cada uma é pequeno considerando o total da prova.

Mas não é bem assim.

O processo de escolha não deve ser pautado tão somente por números, mas também por outros elementos.

Vejam só:

1 – Seja qual for a estratégia ou escolha, Ética Profissional SEMPRE fará parte do rol de disciplinas a serem estudadas.

Por quê?

Porque o volume de conteúdo a ser estudado é pequeno, o grau de dificuldade para se apreender o conteúdo também é pequeno e o desempenho médio de todos os candidatos é muito bom neste disciplina. Na verdade, existe meio que uma obrigação de se acertar, no mínimo, 9 entre as 10 questões.

2 – ECA e Consumidor também devem ser estudadas, pois têm um volume de conteúdo pequeno e costumam dar um excelente retorno aos candidatos, mesmo que cada uma tenha apenas 2 questões.

Acertar fechar essas duas disciplinas na prova objetiva não é algo impossível, e mais quatro ponto no cômputo geral é um grande passo.

DETALHE: Todo ponto conta muito na prova. Muito mesmo! São 40 pontos para ser aprovado e um ponto só que falte faz uma grande diferença. Uma grande quantidade de candidatos ficou com 38 ou 39 pontos na prova passada. Perguntem para eles como é sofrido bater na trave. Aliás, perguntem também se eles fecharam as 8 de Ética ou as 4 de ECA e Consumidor somadas. No detalhe mora a reprovação.

3 – Civil e Processo Civil são disciplinas com um volume de conteúdo grande demais para serem estudadas a fundo neste momento. No caso destas duas disciplinas, os candidatos devem se contentar em ler resumos e resolver questões. Parar para ler uma doutrina específica ou ver aulas completas dessas duas não é mais recomendado.

Aqui cai muito bem acompanhar um curso de dicas, uma revisão de véspera e a resolução de questões. Mas isto dentro do período de tempo destinado às revisões.

Evidentemente, se a 2ª fase escolhida for a de Civil, essa disca não se aplica.

4 – Não deixe de estudar a sua disciplina de 2ª fase. Essa é a disciplina, seguramente, em que o seu desempenho deve ser melhor, ou, ao menos, muito bom.

Mas estudar a sua disciplina de 2ª fase não quer dizer, necessariamente, aprofundar nela, pois presume-se que o domínio do conteúdo seja bem elevado. A disciplina pode ser posta em “manutenção”, ou seja, passar por um processo de revisão e resolução de questões, para manter as informações “quentes” na cabeça.

5 – Direito Civil, Processo Civil, Penal, Processo Penal, Trabalho, Processo do Trabalho, Administrativo, Empresarial e Constitucional são as disciplinas com o maior peso. Quais dessas vocês tem mais dificuldades? É de se considerar seriamente escolher as disciplinas em que o conhecimento é menor, isso na expectativa de aumentar a média dos pontos.

Um fato: vocês terão mais dificuldades de aumentar a pontuação média estudando mais as disciplinas que mais gostam se comparar com o estudo das disciplinas em que o desempenho é pior.

A margem para ganho de nota está, exatamente, em se avançar dentro do campo do desconhecido, e não daquilo que já se sabe ou se tem ideia.

6 – Faltando tão pouco tempo, o total do somatório dos pontos das disciplinas escolhidas deve ficar entre 55 a 60 pontos.

Não dá para estudar mais do que isto, EXCETO se a metodologia não envolver revisões e resolução de questões. Abrir mão desses métodos de estudo compromete a fixação do conteúdo. É melhor, portanto, estudar menos conteúdo mas de uma forma mais consistente, em um processo que envolva leitura de doutrina (ou aula), resolução de questões, leitura da lei seca, elaboração de resumos (sempre de cabeça) e revisões periódicas.

Como o tempo é curto, não é mais possível abraçar o mundo. É preciso ter consciência disto e assumir a estratégia tal como ela é.

7 – IMPORTANTE: A escolha das disciplinas a serem estudadas é sempre pessoal! Seguir uma dica ou uma orientação que veio da percepção de outra pessoa é um equívoco, isto porque cada um tem predileções e bagagens diferentes.

A escolha, repito, é pessoal. Sob pena de ter reduzido o desempenho na prova.

8 – Uma vez feita a escolha, dentro dos parâmetros acima, aferrem-se ao planejamento! Não há espaços para arrependimentos ou recomeços. Tenham fé na própria decisão e sigam em frente.

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter