teste
Análise de Prova Objetiva

O grau de dificuldade do XXIV Exame de Ordem

grau de dificuldade

Lembro, e lembro bem, do erro que cometi na véspera da prova passada, a do XXIII Exame de Ordem. Fiz a análise do futuro grau de dificuldade naquela edição, como sempre faço, e nada podia me preparar para a surpresa apresentada.

A FGV aprontou com todo mundo!

Fiz toda uma análise sobre o futuro da prova, catei todos os elementos, refleti sobre o contexto e cravei: seria uma 1ª fase tão boa como a do XXII Exame.

O pessoal da FGV deve ter rido disto, é claro!

Enfim…a prova do XXIII Exame foi só a pior prova de todos os tempos.

A pior prova do Exame de Ordem de todos os tempos!

Drástico!

Era impossível saber do rearranjo orquestrado em silêncio pela OAB e a FGV. Pegou todo mundo no susto e o resultado foi catastrófico.

Em uma tacada só a FGV introduziu a interdisciplinariedade em algumas questões, até com enunciados lidando com Previdenciário e Eleitoral, reduziu de 10 para 8 as questões de Ética, o que quebrou as pernas de milhares de candidatos, reduziu uma questão de Direitos Humanos, aumentou Tributário, Processo Civil e Processo Penal em uma questão cada e elaborou todas as questões com enunciados imensos e problemas com grau de dificuldade acima da média.

Prova do XXIII Exame de Ordem

Gabarito

Fez terra arrasada na prova.

OAB impõe um forte reposicionamento no Exame de Ordem

E não foi só isso!

Vários dirigentes da entidade, incluindo seu presidente, disseram com todas as letras, após a prova, que o futuro do Exame de Ordem passaria a ser aquele mesmo:

A prova da OAB mudou, e a Ordem também

A OAB sobre o Exame de Ordem: “É hora de adotar medidas impopulares”

Rigor do Exame de Ordem será mantido, diz presidente da OAB

A “ficha” da OAB caiu quanto ao fato de termos chegado ao assombroso número de 1 milhão de advogados, atingido em novembro passado. Vejam as palavras do presidente da OAB/BA:

Para Viana, a advocacia vive hoje a maior crise de sua história. “É uma insanidade ter mais de um milhão de advogados. Esse crescimento geométrico de advogados gera uma série de problemas seriíssimos”, disse o presidente. Segundo ele, na Bahia, 80% da advocacia está “pauperizada”.

Para Felipe de Santa Cruz, é hora de adotar medidas impopulares, sob pena da Ordem ser transformada num “sindicatão”, formada por profissionais proletarizados , vítimas de um estelionato educacional. “Esse sindicatão vai abandonar o histórico da OAB de cidadania e direitos humanos”.

Medo perdido e estrago feito. E agora?

Grau de dificuldade

Tenho uma certeza apenas: o número de questões interdisciplinares vai aumentar. Isso me foi dito pessoalmente. O futuro do Exame está na interdisciplinariedade e não teremos como fugir disto.

Só não sei em que velocidade essa mudança será implementada, mas ela vai acontecer.

No Alvo – Revisão para a prova da 1ª fase do XXIV Exame de Ordem

No mais, temos que pensar com calma.

Todos os elementos dão a entender que a próxima prova adotará uma similaridade com a prova do XXIII, mas eu não estou muito seguro em afirmar isso.

Todas as questões de Ética Profissional para treinamento na reta final de Estudos para a OAB

Não que eu queira tão somente vender esperanças, e eu não faria isso diante de tantos elementos apontando para a direção oposta, mas pode ser que a próxima prova, por que não, não seja tão amarga como a sua antecessora.

A verdade é que faz uns 3 anos que a FGV adotou como padrão o fato de NÃO ter um padrão. Ela oscila a dificuldade da prova edição após edição e nunca aplica uma mesma lógica por 3 edições seguidas.

Nunca!

É mais fácil acreditar que a mudança no Exame será gradual, como está sendo, e paulatina, e não algo verticalizado e objetivo.

Faz sentido achar que a próxima prova será difícil, como efetivamente toda prova o é, mas, ainda assim, é possível crer em algo melhor se comparado com o XXIII Exame de Ordem.

Na prova passada a aprovação na 1ª fase foi de 13,35%. Foi simplesmente a pior da história (considerando que nenhuma foi anulada posteriormente).

Vocês, sem dúvida, vêm se preparando para uma prova no nível da prova passada. Todos foram surpreendidos e a repercussão do estrago foi bem grande.

Vejam: eu não consigo antever como será a prova. Apenas junto e analiso os dados e circunstâncias do momento. Afirmo com segurança que, estatisticamente, a prova não tem um padrão claro. E, por isso, uma oscilação na dificuldade pode ocorrer na prova do domingo. Mesmo considerando as manifestações da OAB quanto ao rigor da prova.

De toda forma vocês não tomarão o susto que todos tomaram na prova passada. O ajuste feito na última 1ª fase pesou demais para candidatos desprevenidos. Agora, o elemento-surpresa da FGV desapareceu e todos mundo está vindo ciente do novo formato da prova.

Isso por si só vai melhorar um pouco as coisas. Se a FGV tirar um pouquinho o pé do acelerador, a aprovação na prova do domingo tende a ser maior.

Tirem os últimos dias para afiar a preparação. No domingo saberemos o que passou pela cabeça da FGV.

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter